fbpx

Diálogo entre o casal – como aprender?

Diálogo entre o casal – como aprender?

Em tempos de crise, as diferenças se acentuam e o diálogo entre o casal pode ficar cada vez mais árido em função das dificuldades.

Isolamento, acúmulo de responsabilidades, rotina modificada, exigências além das habituais, falta de espaço individual… ufa!

As situações impostas pela pandemia nos trazem grande dificuldade de adaptação. Portanto será necessário que tenhamos um pouco de paciência para adaptação e também empenho para resolvermos os possíveis conflitos.

Uma das dificuldades mais evidentes para a relação do casal é a comunicação – será que o diálogo esta sendo substituído pela discussão na sua relação?

Veja como aprimorar a comunicação no seu casamento.

A boa comunicação é produtiva quando temos equilíbrio emocional para iniciar a conversa. Portanto, o diálogo entre o casal não deve ocorrer no momento da briga. Ele deve evitar a briga.

Mas as vezes não é possível evitar uma discussão mais acirrada. Então é hora de deixar a poeira baixar e voltar a falar sobre o assunto quando estivermos mais calmos.

O segundo ponto importante é que precisamos estar dispostos a ouvir o outro para haver um diálogo entre o casal. Caso contrário será um monólogo – um fala e o outro se omite.

Neste caso é importante nos prepararmos para ouvir sobre nossos defeitos. É difícil, mas necessário. Se não assumirmos que também precisamos melhorar, vamos depositar a responsabilidade totalmente no outro – e isso não existe. É bom lembrar que todos somos responsáveis pelo que esta acontecendo em nosso relacionamento.

E uma terceira dica são passos importantes para a comunicação do que sentimos e pensamos: descrever a nossa percepção em primeira pessoa, utilizando substantivos, sem julgar a ação da outra pessoa.

Vamos a um exemplo prático.

Se você diz: “quando saiu e foi fazer seu relatório quando eu estava te contando o que eu pensei fazer, me senti triste, pois a mim, pareceu que você não se importou com o que eu estava dizendo, pareceu não achar importante, mas eu gostaria de ter sua opinião “.

Portanto, essa forma de dizer é muito diferente de: você não me respeita, acha que só o que você faz é importante, não dá a mínima para o que eu falo.

Não temos condições de julgar o motivo pelo qual a outra pessoa agiu de for ma X ou Y. Para que o diálogo entre o casal seja positivo, é importante entendermos que o melhor para todos é a harmonia e a comunicação estabelecida. Não vale a pena descobrir quem pode estar mais certo ou errado na relação, pois não há este espaço, principalmente neste momento de crise emocional/financeira.

Vamos tentar praticar essa sugestão? Caso tenham dificuldade e queiram apoio profissional, estou à disposição para agendarmos uma sessão de casal online.

Relacionamento social – o quanto pode me ajudar?

Relacionamento social – o quanto pode me ajudar?

Relacionamento social, relações interpessoais, contato interpessoal, todas expressões que se referem ao contato de um ser humano com outro. O contato social é uma fonte extremamente importante de acolhimento para qualquer ser humano.

É por meio desse contato com o outro que aprendermos a falar, andar, respeitar as regras e todos as outras questões nossa vida.

Mesmo que por vezes nos sentimos vontade de ficar sozinhos, isso é muito diferente de uma necessidade de isolamento social. Quando o isolamento é opcional pode ser extremamente benéfico porque podemos ter mais tempo para pensarmos em nós mesmos.

Entretanto, quando há uma exigência de isolamento social, a situação fica muito diferente.

Não percebemos mas estamos o tempo todo em interação.

Logo ao levantar falamos com quem vivemos, vamos à padaria e conversamos com os atendentes, depois vamos ao transporte, ao trabalho, e inúmeros outros contextos onde nos relacionamos socialmente.

Quem nunca foi tomar um cafezinho para relaxar? Chamou um colega para almoçar para descontrair? Convidou amigos pra jantar em casa para se divertir?

As boas interações sociais nos trazem sentimentos de pertencer a um mundo específico, nos acalmam, nos acolhem.

Portanto, neste momento de isolamento social obrigatório, é fundamental que determinemos momentos para estarmos em interação social prazerosa.

É preciso estabelecermos momentos de descontração, e de preferência, não somente com quem estamos passando a quarentena, mas também investir nos contatos online, abusar dos aplicativos.

Todos aqueles que estiverem se sentindo bem, mais acolhidos e seguros, estarão em melhor condição emocional para lidar com tantas dificuldades que virão. O relacionamento social não só é capaz de nos trazer acolhimento mas também tranquilidade para estes momentos difíceis.

Caso você esteja se isolando, espero que compreenda que não será positivo. É um momento de utilizar todas as redes sociais a nosso favor e promover descontração, relaxamento. Tais sensações nos deixam muito mais propensos a buscar formas positivas de enfrentamento de problemas.

Se esta sentindo dificuldades, busque apoio profissional e não hesite em agendar um horário para uma sessão online.

Como controlar o ciúme? Como manter uma relação mais saudável?

Como controlar o ciúme? Como manter uma relação mais saudável?

Para controlar o ciúme, é importante avaliar seu relacionamento (se é construtivo ou destrutivo) e seus sentimentos de segurança e autoestima.

O ciúme ocorre com frequência nas relações e pode ser considerado uma combinação de sentimentos relacionados a aspectos positivos como zelo, cuidados, apego, passando por medo, desconfiança, receio, até o polo negativo do controle, agonia, egoísmo e agressividade.

Normalmente o ciúme acontece quando temos uma combinação de situações:

  1. A pessoa é fonte importante de prazer, realizações, reconhecimento, te faz sentir importante, segurança, etc;
  2. Há um sentimento de risco, um medo de perder essa pessoa;
  3. Mediante o risco quem sente ciúme experimenta insegurança, incerteza, questiona suas qualificações para manter a relação;
  4. Ações de “proteção” da relação são expressadas.  Perseguir, controlar (ver celular, redes sociais, seguir fisicamente, questionar, investigar, etc);
  5. A outra pessoa se sente desconfortável com a desconfiança, falta espaço na relação e tende a se afastar;
  6. Com esse afastamento aquelas dúvidas se intensificam – ações de perseguição aumentam para evitar a perda (controle, questionamentos, agressividade, etc);
  7. Quanto mais pressão e tentativa de controle, mais a pessoa se sente incomodada e mais ela tende a se afastar.

Esse ciclo vicioso é a história de muitos relacionamentos onde o ciúme está presente.

Mas como controlar o ciúme?

Como parar de sentir insegurança, medo de perder a pessoa amada.  Como passar a se sentir confortável na relação?

Primeiramente é importante saber sobre se seu relacionamento é construtivo ou destrutivo?

No caso de relacionamentos não recíprocos, apenas um lado investe na relação, só um se entrega ao compromisso enquanto o outro permanece por conveniência.  O problema aqui é que a pessoa não consegue sair do relacionamento, mesmo tendo dicas suficientes de não ser correspondida.  Mas esse assunto será motivo para outro texto sobre relacionamentos abusivos ou destrutivos.

Já nos relacionamentos construtivos, ambos estão dedicados e investindo na relação.  Investir significa dar dicas de cuidados, preocupação, ocasionalmente abrir mão de objetivos pessoais em beneficio da relação, querer estar perto, gostar de fazer coisas juntos, etc.

Cabe ressaltar que para uma relação saudável, é necessário manter a individualidade de cada um, e ao mesmo tempo construir uma terceira prioridade que é o casal.  Isso significa que cada um viverá coisas importantes para si, não desrespeitando os “contratos” feitos pelo casal.

Haverá problemas quando nas relações construtivas, a parte ciumenta entende todos os comportamentos da parceria como dicas de incerteza ou falta de investimento na união.

O segundo passo é observar cada um dos envolvidos para aumentar a chance de controlar o ciúme.
  1. Experiências anteriores

Se a pessoa já foi traída em relações anteriores, maior a chance de se sentir insegura e sentir ciúme;

  1. Autoestima nas relações

Pessoas com dificuldades de se sentirem merecedoras de afeto e atenção tendem a se dedicar demais e esperar muito da relação.

  1. Valor da relação

Para uma relação benéfica, ambos os envolvidos precisam estar emocionalmente saudáveis.  Isso significa dizer que devem ter suas vidas individuais preenchidas de atenção e prazer nas áreas da família, amigos, saúde, lazer, espiritualidade, etc.  Caso contrário, se a relação for a única fonte de prazer para essa pessoa, o “valor” da relação será demasiado.  Em consequência, a exigência e expectativas colocadas serão muito altas. Com latas expectativas a tendência de sentir frustração quando as coisas não acontecerem exatamente como o esperado fica enorme.

  1. Ciúme como sinônimo de amor

Um outro ponto importante a ser considerado é que para algumas pessoas, ciúme é sinônimo de cuidado e amor.  Então quanto não sente ciúme é sinal de que não se importa o suficiente.  Esse conceito acaba justificando o ciúme.

O que fazer com seu ciúme?

Saber que nas relações deve existir uma troca e não uma doação unilateral é fundamental.

A terapia ajuda a entender que experiências anteriores nos ajudam a aprender, mas não garantem as mesmas condições. Não é porque aconteceu anteriormente que irá acontecer novamente – é necessário saber ler as dicas oferecidas, e também dar dicas certas sobre seus sentimentos e intenções.

Um dos itens mais importantes é conseguir manter a individualidade dentro de uma relação, não desrespeitando nem oprimindo o outro.

Se você conseguir fazer essas reflexões e posteriormente mudar sobre estes pequenos passos, perceberá o quanto seu relacionamento será beneficiado.

Mas e quando não sabemos como fazer?

É nesse momento que a terapia pode nos ajudar e assim você saber como controlar o ciúme.  Primeiro porque nos leva a conhecer nossas necessidades, comportamentos, as dicas que realmente estamos oferecendo e não aquelas que “achamos” que estamos dando.  Também nos ajuda a perceber como desenvolver novas habilidades para enfrentar as dificuldades, além de ajudar a ler as dicas da relação de forma correta e não encanar sem necessidade.

A dica geral é: se esta relação te faz feliz, ela é uma relação saudável.  Se você acha que é feliz, mas tem dúvidas se a outra pessoa te ama, as preocupações sobre a fidelidade não saem da sua cabeça, já houve agressões não somente física, mas também agressões verbais, é hora de você questionar se essa relação realmente te faz feliz, ou se o medo de estar só é que te mantem nela.

Não deixe de acompanhar o próximo texto que falaremos desse tipo de situação.

Até breve!  E mande suas questões ou sugestões de textos!!

As 3 formas mais eficazes de esquecer alguém

As 3 formas mais eficazes de esquecer alguém

Você já teve um amor devastador que não deu certo?  Quer esquecer a pessoa de qualquer forma e não consegue?  Para esquecer alguém é necessário que tenhamos um pouco de estratégia e muita persistência.  Confira os passos a seguir e se liberte desta tortura de pensar no ex!

PASSO 1 – RELEMBRE-SE: QUEM VOCÊ É?

Do que você gosta, qual sua comida preferida, o que você faz bem e que desperta elogios, qual a roupa que te deixa mais bonita, que corte de cabelo fica melhor… é hora de buscar coisas que te façam feliz, independentemente da companhia.

Você precisa fazer as pazes com o espelho, com suas roupas, com a academia, e retome aquelas atividades que fazia antes do relacionamento – isso lhe mostrará que é possível você conseguir produzir felicidade.  Resgatar a autoestima!  Não é preciso que se sinta perfeita, mas que se sinta bem fazendo atividades que lhe tragam prazer.

Agora você tem a liberdade de envolver-se com coisas que gosta e que não faz há tempos!  Então não perca tempo!

Aaaai… mas não tenho ideias!  Consulte a internet sobre assuntos dos quais você goste! Tem uma feira sobre o assunto? Programe-se para visitar.  Leia bons livros, ouça boa música, faça seu prato preferido, assista a uma peça de teatro, permita-se ser feliz sozinha.

PASSO 2: EXCLUA OU BLOQUEIE O EX EM TODAS AS REDES SOCIAIS

As fotos do face book e Instagram, acompanhar os grupos de WhatsApp, ficar comentando sobre a separação… tudo isso só aumentará sentimentos de baixa estima e depressão.  Tudo o que lhe fizer lembrar do antigo relacionamento deve ser posto de lado, pois são como estímulos que lhe farão lembrar do passado.

Pesquisas revelam que uma pessoa apaixonada tem acionada no seu cérebro a mesma área de recompensa/satisfação que é acionada no cérebro de uma pessoa dependente de substância química como a cocaína ou a nicotina.

Então, se a pessoa quer parar de fumar, ela não fica com um maço de cigarros na mão o dia todo!  Portanto, é importante que você exclua qualquer tipo de recordações ou coisas que lhe remetam ao ex namorado.  Desligue-se do que lhe faz lembrar do passado.

PASSO 3: CONQUISTAS E RETOMADAS

Para deixar de pensar no ex, será necessário pensar em outras coisas, portanto as redes sociais devem ser usadas para retomar contatos antigos, rever velhos amigos, combinar coisinhas para fazer no final da tarde… sua agenda deve estar lotada de compromissos.  Mas e se os convites não chegarem?  Então você deve tomar a iniciativa e convidar as pessoas para sair, ir ao cinema, ao parque, a um barzinho ou na balada

Ninguém disse que será fácil esquecer alguém, principalmente se a história foi relevante.  Mas ficar assistindo filme com pipoca e chorando no sofá não resolverá o problema.

Você pode e merece ser feliz!  Mas precisa seguir em frente.

10 passos para manter o equilíbrio físico e emocional.

10 passos para manter o equilíbrio físico e emocional.

A vida da mulher está tão corrida com o mundo moderno e suas responsabilidades com os filhos, a casa, a profissão, o casamento …  que nunca sobra um tempo para cuidar dela mesma.  Manter o equilíbrio físico e emocional vira uma tarefa impossível!

E você sabe o que isso causa em sua vida?

Ansiedade, tensão, incerteza, angústia, cobrança, culpa, medo, depressão, stress, solidão…  e quando esses sentimentos não são devidamente controlados, acabam causando no corpo doenças físicas e psicossomáticas!  E o pior que você, mesmo doente, continua se sentindo responsável pela família, trabalho, relação, casa, etc etc etc.

Confira 10 dicas especiais para se manter o equilíbrio físico e emocional.

  1. Respeite seus limites

Você é uma pessoa só, mas com muitas atribuições – a casa, os filhos, o trabalho, a relação amorosa.  E ainda você provavelmente tem um alto nível de auto exigência.  O mundo nos ensina que devemos dar conta de tudo isso, mas é humanamente impossível!  Então é preciso que você lute contra essas cobranças externas e respeite seus limites.  Deixe a louça na pia, distribua as tarefas em casa, se permita almoçar por uma hora… é preciso que você observe seu corpo e veja que ele muitas vezes te pede um descanso.  Para manter o equilíbrio físico e emocional será necessário fazer escolhas – escolha por sua saúde.

  1. Respeite suas vontades

Na maioria das vezes observamos mães e esposas dedicadas fazendo tudo pela família e se esquecendo delas.  É muito importante que você respeite suas vontades, seus desejos e também consiga realiza-los.  Assim como você fica feliz em fazer algo pelas pessoas, deixe que elas façam coisas por você também.  Permita-se ser cuidada, se permita querer coisas e também realizá-las.

  1. Organize uma agenda

Diante de tantas responsabilidades é necessário que você tenha horários para cada atividade, e que principalmente inclua nessa agenda horários para você.  Somente estabelecendo prioridades e determinando tempo é que você conseguirá dar conta de tudo o que precisa fazer.  Caso contrário acabará se sentindo sobrecarregada e frustrada por não realizar tudo o que é necessário.  Equilíbrio significa também dividir, planejar e segmentar.

  1. Tenha disciplina

Após estabelecida uma rotina é necessário que você cumpra à risca sua agenda.  Não faça concessões pois isso atrapalhará seu desempenho e aquele sentimento de insucesso voltará.  Siga confiante sua lista de prioridades e certamente você se sentirá muito melhor quando chegar ao fim do dia.

  1. Faça coisas positivas por você

Todo ser humano precisa de recompensas para se sentir feliz.  Dê de presente à você uma roupa nova, um batom, um dia de folga, um dia de passeio onde você gosta, faça sua comida predileta, tire um tempo para ler um bom livro.  É necessário que VOCÊ faça coisas que te tragam prazer, pois esse é o melhor antídoto para a depressão e a ansiedade.  Manter o equilíbrio físico e emocional inclui um olhar diferenciado para você, pois quem deve estar no foco é VOCÊ.

  1. Afaste-se de coisas e pessoas negativas

Assim como buscar coisas positivas, você deve se afastar do que lhe traga sentimentos negativos.  Não se obrigue a gostar de ninguém, não se sinta culpada por ter um momento de descanso, mas sobretudo não se coloque em situações que você sabe que irão te trazer coisas ruins.  As vezes se afastar de um problema por um momento é a melhor maneira de se manter em equilíbrio físico e emocional para conseguir resolve-lo posteriormente.  O estresse altera condições físicas e psicológicas nos deixando vulneráveis inclusive a doenças.

  1. Aprenda a controlar sua ansiedade

A ansiedade é um sentimento aprendido e, portanto, pode ser mudado.  Ansiedade está relacionada ao nosso receio de ter consequências ruins no futuro.  Aí ficamos tentando prever e controlar o que irá acontecer, para garantir que não sofreremos.  Mas infelizmente nós não conseguimos controlar o futuro.  Não conseguimos controlar o que o outro pensa ou sente.  Não conseguimos controlar muitas vezes nem nossos próprios sentimentos.  O que conseguimos controlar são nossas ações, independente do que estivermos sentindo.  Então é importante que seu foco seja no hoje – viva um dia de cada vez, pois ontem já não é possível mudar nada, e amanhã ainda nem chegou.

  1. Fique perto de quem te faz bem

Não deixe que a rotina do dia a dia te afaste dos amigos e dos familiares importantes para você.  São essas pessoas que vão nos resgatar quando estivermos lá no fundo do poço, quando não tivermos mais forças para suportar os problemas.  É por essas pessoas que valerá à pena continuar lutando e superando as adversidades.  Então é necessário que você tenha amigos.  Cultive o carinho e atenção deles para que possa ter com quem contar e para que também possa ajudar quando eles precisarem de você.  O ser humano não foi feito para viver sozinho, então não se isole.

  1. Faça exercícios físicos

O corpo é uma máquina e precisa de cuidados.  Quando deixamos uma máquina enferrujar ela começa a funcionar mal.  Por isso é necessário fazer algum tipo de exercício.  Academia, jogos, natação… qualquer coisa que te agrade.  Os exercícios físicos fazem bem para o corpo pois relaxam a musculatura que fica tensa com os problemas diários.  Também ajudam na eliminação de todas as toxinas que liberamos no corpo quando estamos estressados.  Além disso o exercício ajuda na socialização.  Quando fazemos exercícios liberamos substancias químicas que nos dão a sensação de prazer.  Para um dia cheio de problemas, é um santo remédio!  Comece com uma caminhada diária de pelo menos meia hora… você sentirá a diferença.

  1. Peça ajuda sempre que precisar

Por último, mas não menos importante, é preciso que você peça ajuda!  Deixe que as pessoas façam as coisas por você, deixe sua família te ajudar, desabafe sobre seus problemas, divida suas angústias e medos e peça ajuda!  Muitas vezes não conseguimos ver a solução e ela está ali, pertinho… contar com o apoio de quem nos ama é muito importante.  E se for necessário, busque ajuda de um profissional da psicologia para que a caminhada não seja tão sofrida nem tão demorada.

Dessa maneira, se você seguir diariamente essas 10 dicas, certamente você conseguirá manter o equilíbrio físico e emocional e seu organismo estará mais saudável para desfrutar de uma vida plena e feliz!

Erika Scandalo – Psicóloga no Morumbi / SP

Veja os 8 motivos comuns que levam à traição e…  Previna-se!

Veja os 8 motivos comuns que levam à traição e…   Previna-se!

Você já esteve numa relação que começou bem, equilibrada, com conflitos comuns, mas de repente descobriu que foi traido(a)? Já parou para pensar em quais motivos levam à traição? Aqui você vai conhecer os 8 motivos comuns que levam à traição.

Como psicóloga, acredito que antes de falarmos sobre os motivos, precisamos entender o que é traição, e aí sim estaremos preparados para pensar no que leva uma pessoa à traição.

Pensar, sonhar, imaginar, é traição ou só se sair mesmo com a outra pessoa?  Sair é traição ou tem que beijar?  Pode só beijar ou só se for para a cama?  Traição significa que o amor acabou? Significa que a outra pessoa é melhor que eu?

Traição é não cumprir um compromisso – ou seja, trair na relação significa não ser fiel aos objetivos comuns do casal, é ser desleal com o pacto de amor feito entre os dois.

E um detalhe importante na traição é que não é necessário a pessoa se ausentar, sair com outra para trair.  Ela pode trair em pensamento, em sentimento, em intenções… e a outra parte nem estar sabendo.

Mas calma!! Não é preciso entrar em pânico, pois se você teme que esteja sendo traído(a), o melhor a fazer é observar sua relação.  Somente após observar o que ocorre você poderá compreender os possíveis motivos de uma traição, e tentar evitá-los.

8 motivos mais comuns para a traição:

  1. Insatisfação

Um dos companheiros não está satisfeito com a relação, e por algum motivo não consegue encerra-la;  Muitas vezes esse padrão é descrito como safadeza, falta de caráter… mas é muito frequente ser resultado de uma pessoa com baixa estima e baixa autoconfiança.  Outro motivo é porque a pessoa teve experiências negativas anteriormente e hoje trai para não ser traída.  Não é muito racional, é verdade, mas é um dos comportamentos que observamos no consultório de psicologia com frequência.

  1. Expectativas erradas

Quando uma das partes busca na relação alguma coisa que não irá encontrar.

Ex.: busca se sentir completo.

Infelizmente é uma expectativa comum, mas o outro nunca conseguirá lhe completar absolutamente: é necessário que sejamos inteiros para nos relacionar com outro.  Caso contrário sempre exigiremos demais, cobraremos demais e causaremos em nós e no outro muita insatisfação – aqui surge o ciume e a desconfiança; e quando alguém se sente insatisfeito, abre a porta para a traição.

  1. Curiosidade

A curiosidade sobre uma realidade diferente da que se vive.  Curiosidade sobre outras possibilidades de relacionamento afetivo e sexual – essa situação é mais frequente em relacionamentos muito longos;

  1. Necessidades de autoafirmação e baixa estima

Quando um dos parceiros tem uma visão negativa sobre si e sente a necessidade de provar que é atraente, que consegue conquistar quem deseja; muitas vezes a investida em outros(as) parceiros(as) garante ao conquistador esse sentimento de que ainda é capaz de conquistar.

  1. Visão machista

Uma visão machista do relacionamento faz com que o homem tenha uma visão de que a traição para homem é permitida, já que a mulher tem um papel passivo na relação.  Embora estejamos no século 21 ainda é possível encontrarmos muitos homens com esse pensamento.  Nesta situação a traição ocorre porque é permitido, ele não pensa que deva resistir à tentação de outras mulheres, simplesmente porque é da natureza do homem.

  1. Fim do “romance”

Casais que passam de “amantes” a “irmãos” – quando o erotismo, o romantismo acaba e só fica a convivência permeada pela rotina diária.  Estes casos estão muito propensos à traição de qualquer um dos lados, pois a relação em si não oferece mais encantos;

  1. Clima muito hostil

Um relacionamento pautado em brigas, discórdias, somente com momentos ruins, gera aos parceiros uma aversão de estarem juntos.  Neste contexto abrem-se oportunidades para que os envolvidos busquem a satisfação com outros parceiros que lhes ofereçam o que procuram.  Ou minimamente outros parceiros que lhe dediquem atenção e amor, o que não ocorre na relação em que estão.

  1. Relação fria

A sensação de solidão, de desprezo, de não se sentir desejado(a) também pode ser um dos motivos pelos quais a pessoa busca fora do seu relacionamento sua satisfação; muitas vezes causamos essa situação por não nos dedicarmos ao relacionamento mas ao trabalho, às necessidades dos filhos, etc.  É necessário construir constantemente a relação.

Agora que você já tem algumas dicas sobre o que deve avaliar em seu relacionamento, é importante fazer uma revisão de todos os pontos, e consertar tudo aquilo que não vai tão bem.

Será necessário muito diálogo, muita sinceridade não só com o(a) parceiro(a), mas principalmente com você.  O que exatamente está buscando nesta relação?

A relação te satisfaz?

Bem… mas isso é assunto para um próximo texto.

Nos falamos em breve!!

Precisa de ajuda? clique aqui e agende sua primeira consulta – meu consultório fica no Portal do Morumbi – te espero lá!

Será que vale a pena investir nesse amor?

Não é raro ouvirmos questionamentos de pessoas com quem a gente convive:

Dei meu número; ele ligou no dia seguinte; rolaram encontros ao longo de alguns meses…  mas será que vale a  pena investir nessa relação?

Estamos juntos há um ano e meio, mas de um tempo para cá só brigamos, parece que a gente não está mais se acertando.  Será que vale a pena investir nesse amor?

amor-investir

Em primeiro lugar é preciso lembrarmos que as relações amorosas são construídas.  Claro que existe uma empatia imediata, mas o sentimento de amor pelo outro é desenvolvido ao longo do tempo.

A primeira coisa que nos faz ficar juntos pode estar relacionada a atração física, ou também à possibilidade de vivermos um “sonho bom”, de vivermos o romance que sempre sonhamos.

Mas não é isso que nos mantem juntos.  O que realmente faz com que os relacionamentos perdurem é o que um oferece ao outro.

Algumas pessoas podem questionar:  mas amar não é oferecer sem querer receber nada em troca?

Na verdade, em todas as relações nós recebemos e oferecemos sentimentos, ações, expectativas, possibilidades de felicidade.  Quando o outro não tem perspectivas de que possa viver algo legal ao nosso lado, ele facilmente se desinteressa.

Então temos algumas questões a fazer para saber se vale a pena investir nesse amor:

O que você está oferecendo ao outro?

O que o outro está oferecendo a você?

Qual seu nível de satisfação?

Qual a chance de você oferecer mais?  E do outro oferecer mais?

Tome cuidado para que a resposta não esteja relacionada a “se livrar” de sentimentos como a solidão, a tristeza, a depressão ou a carência.

Um relacionamento saudável esta pautado em receber coisas que fazem minha vida mais feliz e não menos triste.

Percebe a diferença?

É importante rever os motivos pelos quais você vem buscando se relacionar.  Uma relação que já inicia com o objetivo de suprir a necessidade do outro, não tem muitas chances de dar certo.

Por que?

Porque uma relação deve vir para somar na vida e não para que um possa suprir uma necessidade do outro.  Pois neste caso, uma das pessoas estará sempre se sentindo cobrada, pressionada, exigida, perseguida, controlada… e quando nos sentimos assim, a tendência é de querermos distância e não aproximação.

Vale a pena avaliar sua relação, mas principalmente é importante avaliar o que você espera desse relacionamento e o quanto realmente você poderá conseguir.

Muitas vezes acabamos depositando expectativas irreais sobre o namoro/noivado/casamento e por isso nos frustramos.

Se vale investir nesse amor?

A primeira coisa que precisamos saber é: é amor mesmo?  Daqueles construídos com base numa troca mútua?

Quer ajuda para avaliar melhor seus comportamentos?  Agende seu horário

JANEIRO BRANCO – você tem saúde emocional?

Podemos aplicar ao conceito de saúde emocional, o mesmo conceito médico:  dizemos que estamos saudáveis fisicamente quando nosso corpo não apresenta nenhum tipo de doença.  Saúde emocional também pode ser considerada como a ausência de uma doença mental como depressão, ansiedade, pânico, etc.

Mas não é só isso!  Saúde emocional também se refere à um estado de satisfação com sua vida, um equilíbrio conquistado por meio do controle de suas emoções.

Você controla suas emoções?

tristeza-alegria

Controle emocional – janeiro brancoComo pode saber isso?

Falamos em controle emocional quando a pessoa não apresenta sofrimento demasiado frente às questões cotidianas.

Nada na vida é fácil e nem conquistado sem esforços.  Alguns precisam se esforçar mais que outros, é verdade, mas cada pessoa tem as consequências dos comportamentos que apresenta, ou quase sempre é assim.  E isso significa exatamente que mesmo se nos esforçarmos muito, as vezes não teremos controle de tudo o que acontecerá em nossas vidas.

Controle emocional significa dizer que mesmo frente as dificuldades, ao sofrimentos, as dificuldades, ainda assim a pessoa não se paralisa, nem foge dos problemas deixando de aprender com eles.

Na vida o sofrimento é inevitável, então como saber quanto de sofrimento é o normal?

Caso você perceba que está deixando de fazer coisas que são importantes para você porque há dificuldades que você não tem conseguido enfrentar, isso é um sinal de que você não esta conseguindo atingir o equilíbrio emocional e que provavelmente precisa de ajuda da terapia para enfrentar com mais objetividade e assertividade seus problemas.

Aproveite o inicio do ano para pensar no que te incomoda, quais sentimentos você gostaria de deixar em 2016 e que outras sensações você quer experimentar em 2017?

A hora de mudança é agora!

Gostou da ideia? Então é só agendar sua primeira sessão para pensarmos juntos em quais metas você poderá conquistar nesse novo ano.

 

 

 

 

Então é Natal …

Natal é época de comemorações

é quando encontramos na agenda apertada

espacinhos para rever os amigos

e sempre prometemos que no ano seguinte nos veremos mais vezes

 

Natal é tempo de pensar em presentes

de estar presente com a família

de fazer comprinhas

de pensar em lembrancinhas

 

 

No Natal o que esperamos mesmo é se lembrados

lá no fundo esperamos receber um presente daqueles que consideramos importante em nossas vidas

esperamos um telefonema, uma mensagem no facebook, um recadinho no whatsapp

 

Mas você… tem lembrado dos amigos?

Há quanto tempo não dá sinal de vida?

 

Eu sei… envolvidos com a correria de final de ano

os dias correm , as horas voam, e quando se vê já é noite

 

Aproveite essa época propícia para retomar seus contatos

investir no que é importante para você:  família, relacionamento afetivo, filhos, amigos…

não deixe essa oportunidade passar

 

E quando estiver com os seus não economize abraços

distribua-os livre e apertadamente

 

E de repente você notará que seu Natal está completo

Você terá ali, a seu lado, o que há de mais precioso

você terá o amor!

 

É  o amor pelas pessoas, pelos nossos objetivos que nos move

Deixe que o amor te leve

e que faça desses pequenos momentos

motivos para grandes lembranças

 

FELIZ NATAL !!

 

 

Será que tenho câncer de próstata?

O câncer de próstata é um tipo de câncer que atinge uma glândula (próstata) do tamanho de uma noz na região abaixo da bexiga e que só os homens têm.  É um dos tipos de câncer mais comuns em homens e ainda causa muitas mortes principalmente pelo diagnostico tardio, e sabe por que?  Porque os homens não fazem exames de rotina por puro preconceito!

As mulheres já estão habituadas a suas consultas anuais no ginecologista e esse muitas vezes é o primeiro a diagnosticar patologias e encaminhar a paciente para os médicos especialistas.  Porém o homem só vai ao médico quando está muito doente, ou então quando sofre pressão da esposa e filhos, ou por alguma norma da empresa que o obrigue a fazer exames regulares.  Com este comportamento, os homens não descobrem suas doenças e acabam morrendo vítimas patologias que, se descobertas no início, teriam grande chance de cura, como é o caso do câncer de próstata.

Por qual motivo os homens não vão ao médico?

A primeira resposta é muito simples:  porque eles não estão sentindo nada!  Entretanto o câncer de próstata muitas vezes não apresenta sintomas.

Outra explicação é cultural, ou seja, os conhecimentos passados por gerações que colocam o homem como um “super homem”.

Isso significa que para a grande maioria dos homens – e mulheres – homem chorar, demonstra fragilidade e sua masculinidade é questionada.  E ter a masculinidade questionada para o homem é um ponto extremamente angustiante.

A cultura também induz o sentimento de que o homem é o responsável pela manutenção e sustento de sua família.  Esse conceito gera uma condição de ansiedade e medo de deixar seus amados desamparados.

Quando falamos em doença fica muito claro para os homens que, em sendo diagnosticado, estarão mostrando suas fraquezas, principalmente nos casos em que a doença pode debilitá-lo e fazê-lo dependente das pessoas.  E pior, pois o câncer de próstata está relacionado diretamente aos seus temores sobre a impotência – a maior prova do quanto “machão” ele é.

E todo esse temor não é característica de apenas um ou dois homens, mas da grande maioria porque simplesmente aprendemos isso ao longo dos anos.

Com a revolução das informações e possibilidade das discussões de ideias no mundo globalizado, há muitas mudanças em relação ao preconceito, mas de forma geral, nossa sociedade ainda está preza à necessidade de categorizar as pessoas, entre homens machos e homens afeminados por exemplo.  Em função ainda de muito preconceito há discriminações em relação a opção política e religiosa, o que diremos então sobre os preconceitos em relação a orientação sexual!?

Nosso alerta maior é para você que, quando questionado sobre preconceito responde:  não, eu não tenho preconceito, eu respeito e até tenho um casal de amigos gay!  Porém o problema são aqueles pensamentos e conceitos arraigados, que estão guardados lá no fundo da cachola e que você não revela à ninguém:  “imagina… eu ficar de quatro para fazer um exame… nunca!  Isso não é coisa pra macho!”

O preconceito e suas consequências

Aí vem outro problema:  somos preconceituosos e não assumimos!  E nesse caso, o homem passa a correr o risco de ter uma doença qualquer e descobrir tarde demais para um tratamento.

Muitas vezes por desconhecimento de que há exames de sangue (PSA) que podem preceder o tão temido exame de toque, o homem foge temeroso do urologista.  E que o exame de toque não dura mais do que segundos, mas que talvez 30 segundos de desconforto sejam mais toleráveis do que tratamentos invasivos e sofrimento no futuro.

Portanto fica nosso alerta: prevenir é sempre o melhor remédio.

E sobre os medos de descobrir que pode estar doente?  De pensar que é o responsável pelo sustento da família e que não pode fraquejar?  Mais uma vez a regra se faz presente: o quanto antes descobrir, mais chance de cura existe.

Mas caso você já tenha recebido o diagnóstico positivo para o câncer de próstata, vale a pena repensar também sobre seu preconceito em relação à masculinidade e o quanto isso influenciará sua decisão quanto aos melhores tratamentos.

Busque informações com seu médico e equipe de cuidados, avalie as possibilidades e saiba que sexo é sim importante, mas que existem outras maneiras de torná-lo viável por meio de próteses por exemplo, se o seu medo for a perda da capacidade de ereção.

Só fica um lembrete:  para nós mulheres, mais importante que sua capacidade de ereção, é sua habilidade de nos amar, nos dar suporte emocional, nos ajudar a educar nossos filhos, e nos fazer feliz!  Com ou sem prótese, antes do sexo a mulher precisa de carinho, e essa habilidade, doença nenhuma consegue tirar de você.

Então, cuide-se!  Para estar presente por muitos momentos em nossas vidas!

× Agende seu horário