Amo o que faço mas odeio meu trabalho

odeio-o-meu-trabalho

Desde muito pequenos todos nós somos cobrados sobre nossa profissão. Na hora de decidir pela carreira no vestibular, na maioria das vezes não temos noção sobre o que gostamos ou não, e nem imaginamos como é o dia a dia de trabalho da profissão almejada.

É quando o terrível acontece – o vestibular – e temos que escolher por um dos cursos. Fazemos a faculdade e precisamos de um emprego para auxiliar no pagamento das mensalidades… e depois das contas de casa…

Uma das questões que sempre fiz nas entrevistas para qualquer cargo foi: por qual motivo você escolheu esta vaga, esta área para trabalhar? E infelizmente na maioria das vezes ouvi: “preciso trabalhar, não posso ficar escolhendo” … “comecei nesta área porque precisava trabalhar e depois gostei”. E então percebemos nas empresas uma categoria de profissionais:

  1. Pessoas que precisam trabalhar, mas que não gostam do que fazem;
  2. Pessoas que querem trabalhar, mas não sabem o que gostam de fazer;
  3. Pessoas que gostam dá área em que trabalham, mas não gostam do emprego onde estão.

É sobre esta terceira categoria que vou falar hoje: alguns felizes profissionais tiveram a chance de escolher a área de atuação, outros descobriram ao longo de sua vida profissional aquela área de trabalho, mas na atualidade, não estão gostando de onde estão hoje.

O mercado de trabalho está cada vez mais exigente porque as empresas precisam de profissionais que façam “mais” por “menos”. Esse é o caso de todos os que tem um emprego!

Mas o maior problema são os pequenos eventos que acontecem dentro das empresas:

  • O chefe
  • Os (maus) colegas de trabalho
  • A baixa remuneração
  • A falta de perspectiva de crescimento
  • A falta de reconhecimento salarial
  • A pressão por produção
  • A falta de recursos para resolver os problemas diários
  • Ninguém me ouve na equipe
  • Não vejo mais nenhum desafio no meu cargo

Eu poderia enumerar muitos outros itens, mas acredito que este número é suficiente para lhe questionar:

Você enfrenta algum destes?

O que já tentou para resolvê-los?

Sente-se de mãos atadas e sem alternativas para seguir?

A hora da mudança

Então chegou o momento de parar e pensar em sua vida, em suas escolhas e principalmente nas consequências de suas escolhas HOJE!

Certamente daqui há um ou dois anos, você irá pensar: por que não comecei antes? Por que não mudei de emprego quando não tinha tantas dívidas? Como posso fazer agora?

O fato inquestionável é que você precisará se decidir se irá conseguir sair deste emprego na atual situação financeira do pais inclusive… ou se irá se preparar para melhorar suas habilidades e conquistar novas oportunidades antes de sair do emprego atual.

O mais importante é que você entenda qual o melhor caminho a seguir e comece a se preparar para trilhar esta estrada.

E lembre-se: nenhuma maratona termina se não tiver acontecido o primeiro passo. E seu primeiro passo precisa ser dado AGORA!

A psicoterapia poderá auxiliar no melhor entendimento de suas necessidades pessoais e também na avaliação de suas habilidades para o que está almejando. Um segundo passo será o trabalho para descobrir as novas habilidades a serem treinadas e coloca-las em pratica, desenvolvendo uma a uma.

Ninguém de nos nasceu sabendo e todos temos a competência do aprendizado. Muitas vezes temos dificuldades em alguns itens, que podem perfeitamente ser compensados por outras habilidades e um pouquinho de criatividade.

“Não deseje que seja fácil, deseje que seja melhor. Não deseje menos problemas, deseje mais competências. Não deseje menos desafio, deseje mais sabedoria!”

JIM ROHN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Agende seu horário